VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

O UNICÓRNIO. de Iris Murdock

Iris Murdoch, nascida em 1919, escritora e filósofa, foi professora na Universidade de Oxford, na década de 50, e conhecida pela militância de esquerda. Sua obra obteve destaque na literatura inglesa no final do século XX. Casada por quase cinquenta anos com o também escritor e professor John Bailey, morreu em 1999, por complicações decorrentes do mal de Alzheimer. O filme Iris, retrata sua vida, protagonizado por Kate Winslet no papel da jovem Iris e Judi Dench como a Iris idosa, já abatida pelo mal que a acometeu na velhice. 

O livro narra uma história misteriosa e carregada de símbolos: a história de Marian Taylor, professora atraída por um anúncio em jornal, para trabalhar como... 
governanta em um castelo. 
Chegada ao Castelo de Gaze - lugar envolto em abismo e pântano, escondido do mundo - descobre que não há crianças a ensinar, mas uma bela moça a servir de companhia, Hanna Crean-Smith.
Todos os que habitam o lugar gravitam em torno de Hanna: parentes distantes e empregados, no castelo, moradores do castelo vizinho. 
Hanna, confinada por seu marido por tê-lo traído sete anos antes e tentado matá-lo, tem como guardião Gerald Scottow, temido e dominador. O marido vive nos Estados Unidos e desde o acidente (teria ela tentado matá-lo ou ele escorregara?) jamais voltou ao lugar.
Outro personagem de destaque é Effingham Cooper, único estranho ao lugar que tem autorização para visitar Hanna. Seu contato é o dono do castelo vizinho, pai de Pip e Alice (que alimenta uma paixão antiga por Effie). Apaixonado em verdade por si mesmo, tolo e vazio, ama platônica e descomprometidamente Hanna, como a princesa encerrada em uma torre. Mais tarde sua paixão oscilará, superficial e egocêntrica, entre Alice e Marian, além de Hanna.
O clima de mistério envolve cada página. À procura do unicórnio do título, descobrimos que Hanna o incorpora, ao representar Deus, que se alimenta de amor e não poderá jamais ser entendido. Gerald, por seu turno, é temido e obedecido, passivamente. Cada um aceita seu papel, sem questionamento.
A atmosfera de pesadelo e estagnação é envolvente. Marian é aos poucos absorvida, assim com o o leitor, gradativamente.


TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Faça uma visita aos blogs. É só clicar nos links:
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
Viva apaixonadamente. O hoje, o presente. Porque é tudo o que existe de verdade, tudo o que existe para ser vivido. O mais, é irrelevante.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!