VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O HOMEM QUE ODIAVA A SEGUNDA-FEIRA


   O escritor e cronista Ignácio de Loyola Brandão narra neste livro - fácil e agradável de ser lido - cinco pequenas histórias que se entrecruzam. A nota que permeia a narrativa é o fantástico e a alegoria, o abismo, a frustração e a desilusão. O fantástico alegórico é o resultado da experiência e percepção do escritor, fruto ainda de um contexto histórico. Sutil e irônico, é trilhado um fundo de bom-humor, travestido de mau humor.

     Se pecado há, vejo-o no estereótipo do juiz e de seu trabalho, próprio daqueles que não lidam com o Direito. É possível encontrar várias passagens em que o autor confunde qualquer juiz com o juiz da...

quarta-feira, 13 de junho de 2012

DOIS FILHOS DE FRANCISCO

Mais de um professor recomendou - assim que lançado, em 2005 - que assistíssemos o filme Dois Filhos de Francisco. Nele é narrada a história de Zezé di Camargo, Luciano e sua família.
O exemplo indicado, por sinal memorável, é o da persistência do pai dos garotos, tido por lunático, mas que encerrava uma vontade indestrutível e o sonho de formar, com dois de seus nove filhos, uma dupla sertaneja de...

sexta-feira, 1 de junho de 2012

DANO AMBIENTAL NA SOCIEDADE DE RISCO

Dano Ambiental na Sociedade de Risco, Editora Saraiva. Coquetel de lançamento será realizado no dia 14/06, às 14,30 no MegaStore da Saraiva no Iguatemi, Florianópolis.



Dano ambiental na sociedade de risco




Dano ambiental na sociedade de risco aborda temas que têm inquietado 
pesquisadores, professores e estudantes dedicados ao estudo de 
questões relativas ao meio ambiente. A obra apresenta para o leitor as 
particularidades da hermenêutica jurídica ambiental, bem como da 
gestão de riscos das áreas contaminadas e dos agrotóxicos. Examina a 
jurisprudência mais recente acerca das áreas de preservação 
permanente, da responsabilização civil por danos ao patrimônio 
cultural, do estabelecimento do nexo de causalidade por danos 
ambientais da tutela coletiva do meio ambiente.

A obra é fruto do...

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
Viva apaixonadamente. O hoje, o presente. Porque é tudo o que existe de verdade, tudo o que existe para ser vivido. O mais, é irrelevante.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!